A VISITA {SAMANTHA DE SOUSA}

Henry Füssli

Não havia adormecido ainda, quando sentiu que alguma coisa se arrastava sobre a cama. Era uma coisa pesada ao ponto de estremecer o colchão. Tentou mover-se para verificar o que era aquilo, mas não conseguiu movimentar um único dedo. À medida em que a coisa se aproximava dela, seu coração batia tão forte que doía no peito. A respiração estava pesada. A voz não saía. Sentiu, então, que algo a tocava, deslizando dos cabelos até as partes íntimas. Precisava sair daquilo, seja lá o que fosse. Quanto tempo já durava? Meia hora? Toda a madrugada? Um minuto? O tempo congelou-se. Quando uma leve iluminação invadiu o quarto, sentiu-se libertar, o corpo moveu-se bruscamente e toda ela tremia. Não havia mais ninguém no quarto.

1 comentários: